quarta-feira, 1 de março de 2017

Conhecendo Sobre os pugs






SOBRE O PUG


O pug é um cão de companhia por excelência. Seu prazer é estar com as pessoas, e sua finalidade é divertir os ”seus” humanos. Com suas brincadeiras, querem cativar as pessoas, o que conseguem com grande sucesso.


Um pug geralmente se torna o dono da casa, e embora eleja uma pessoa, e a siga como uma sombra, ele ama a todos, inclusive às crianças. Em sua maioria festejam os estranhos, embora haja aqueles mais raros que sejam um pouco mais reservados.


Costumamos perguntar a quem nos solicita um filhote, se estão preparados para ter um pug. Pois isso significa atendê-lo em sua expectativa de ser um cão muito amado, de não deixá-lo só durante todo um dia de trabalho, de não criá-lo em quintal, privado do convívio direto com as pessoas, e muito menos deixá-lo isolado em um canil. Alguns adoecem nessas situações.


Adquirir um pug significa ter o compromisso de escovar o seu pelo diariamente para que o seu sofá não fique cheio deles, e mesmo assim tolerar algum pelo pela casa. De limpar as dobrinhas do nariz pelo menos uma vez por semana. De protegê-lo das brincadeiras de crianças menores, já que as quedas podem provocar fraturas, por serem muito pesados. De verificar com frequência os seus olhos, que são dados a se ferirem, pois não têm o focinho para protegê-los de traumas. De se divertir com seu ronco. De evitar sair com ele à rua num dia de muito calor, colocando-o em lugar fresco e ventilado. De jamais deixá-lo preso no carro estacionado, enquanto você faz as compras (você pode não encontrá-lo vivo, pelo calor e pelo stress). De não fazer caminhadas puxadas, e muito menos corridas com ele.


É adquirir um novo membro da família, e ter a certeza de ganhar um grande companheiro, um cão muito especial. Costuma-se dizer que uma pessoa não viveu, até pertencer a um pug!
SOBRE A CRIAÇÃO


O pug se tornou uma raça mais popular, e sempre que isso acontece, muitas pessoas se interessam em criar. Porém, criar pugs é trabalhoso e caro, podendo contrariar uma expectativa de lucro. Por vezes, a cesariana é necessária, podendo trazer complicações que levem à morte, quando não atendidas a tempo por um veterinário experiente com os pugs (principalmente na difícil arte de anestesiá-los com segurança).


Poucas pugs são boas mães, e a sobrevivência da ninhada, que é bem frágil, dependerá do criador: os filhotes deverão ser mantidos aquecidos e não poderão ficar junto com as mães sem supervisão, pelo menos até abrirem os olhos (às vezes até por um tempo maior), pelo risco das fêmeas se deitarem sobre eles.


Devemos colocá-los para mamar e fazerem suas necessidades a cada duas horas, dia e noite, até os 15 dias de idade. Depois vamos aumentando os intervalos das mamadas, até que estejam prontos para iniciar o seu desmame, com 45 dias.


É da responsabilidade do criador encontrar bons lares para os filhotes. Os futuros proprietários devem ser conscientizados das características e necessidades físicas e emocionais dessa raça tão peculiar, e o criador responsável deverá assumir o compromisso de recomprar ou recolocar os filhotes de sua criação, que não possam mais ficar com seus donos, por qualquer que seja a razão.


Uma fêmea não deverá ter mais do que 4 ninhadas, mesmo em caso de partos normais, pois gestar e amamentar representam uma sobrecarga. Normalmente castramos as fêmeas após 6 anos de idade.


Quem desejar se tornar um criador, deverá escolher pugs saudáveis, adquiridos em criadores sérios. Mesmo quando não puderem mais reproduzir, os cães deverão permanecer com o criador, cuidados e amados até o final de suas vidas.


Adaptação do texto “ Breeding or Spaying/Neutering” (Pug Dog Club of America).




SOBRE A CASTRAÇÃO


Tenhamos em mente que ter uma ninhada não é uma necessidade para as fêmeas, como se acredita. Fêmeas castradas geralmente vivem mais e melhor.


A probabilidade de câncer de mama diminui consideravelmente, após a castração, eliminando também o inconveniente do cio, para as que não se destinam à procriação.


É também aconselhável a castração dos machos de companhia, e daqueles que não reproduzem mais. Os machos castrados não têm o risco de câncer testicular, e são menos propensos aos problemas de próstata.


As fêmeas ou machos castrados não se tornam gordos e lentos. Isto se deve à alimentação inadequada e à falta de exercício.


Muitos encaram erradamente a castração como uma agressão ao animal, mas certamente desconhecem os benefícios de se castrar um macho ou uma fêmea que não vão reproduzir.


Garantir uma boa vida aos nossos pugs deve ser o nosso objetivo, como uma recompensa a quem faz da nossa uma vida mais feliz.


Adaptação do texto “ Breeding or Spaying/Neutering” (Pug Dog Club of America).

Nenhum comentário:

Postar um comentário